segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Os Mitos do Trabalho remoto

O paper da pesquisa global da Polycom sobre o trabalho remoto, "Anywhere Working" (nota de imprensa), traz uma sessão interessante ciom três mitos do trabalho remoto:

  • Mito: trabalhar longe do escritório me deixará sozinho.
  • Verdade: Participar frequentemente de chamadas de vídeo garante que você desenvolva e mantenha boas relações com todos os colegas e partes interessadas;
  • "Minha versão da Verdade": Sim, se você não fizer um esforço constante de socialização, você vai virar um hermitão. Marque encontros presenciais e almoços com colegas de trabalho, clientes ou amigos (sugiro mais de uma vez por semana); participe de reuniões com vídeo, como sugerido pela Polycom;
  • Mito: Trabalhar remotamente poderia comprometer minhas chances de progressão na carreira. 
  • Verdade: Certifique-se de entregar resultados sólidos e manter contato com seu gerente regularmente.
  • Mito: Trabalhar remotamente significa apenas trabalhar em casa.
  • Verdade: Trabalhar remotamente, em qualquer lugar, realmente significa "em qualquer lugar". Os funcionários devem escolher seu lugar favorito e trabalhar a partir daí. Não apenas a sua casa, mas cafés, espaços de co-working, hotéis, são boas opções. O trabalho remoto também permite trabalhar em trânsito ou a qualquer momento que seja necessário, desde aeroportos até o lobby da academia, a piscina do hotem ou um parque - desde que você tenha a tecnologia necessária (equipamento e conectividade).
  • Minha observação: Eu mesmo já trabalhei algumas vezes na área da piscina de hotéis ;)

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Pesquisa Otimista sobre adoção de Home Office no Brasil

Uma pesquisa global divulgada pela Polycom no início desse ano mostrou um quadro muito positivo sobre a adoção do home office no Brasil, com alguns dados acima da média mundial. Veja alguns números da pesquisa "Anywhere Working":
  • 98% dos entrevistados concorda que a oportunidade de trabalho em qualquer lugar aumenta a produtividade, pois as pessoas podem optar por trabalhar onde são mais eficientes;
  • 62% da população trabalhadora do mundo já tiram vantagem do trabalho flexível;
  • 89% dos empregados em todo o mundo usam tecnologias de colaboração;
  • 91% dos entrevistados concordam que a tecnologia de vídeo colaboração melhora o trabalho em equipe;
  • 80% dos pesquisados no Brasil podem trabalhar remotamente;
  • 37% das empresas brasileiras entrevistadas adotam prática do home office;
  • Usando a tecnologia de colaboração regularmente, 85% dos brasileiros garantem que suas equipes sejam produtivas;
  • 76% dos brasileiros dizem que são mais eficientes ao escolher onde trabalham;
  • 36% dos brasileiros vem a melhora no seu bem estar como a principal razão para trabalhar de forma flexível;
  • 34% dos entrevistados priorizam a possibilidade de consequir cuidar dos filhos;
  • 60% dos entrevistados sente que não há orientação clara sobre a política de trabalho remoto da empresa e gostaria de receber orientações do RH.
Segundo a pesquisa, os brasileiros são conhecidos por trabalhar com afinco, mas sem deixar de lado o lazer, na busca pelo equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional.

A pesquisa da Polycom também destaca que a produtividade e o trabalho em equipe são aprimorados quando os funcionários podem escolher onde trabalhar, e que é possível manter uma equipe dispersa sem impactar o progresso de projetos com o uso de vídeo colaboração para fazer check-in e relatar atualizações.

Mas, cá entre nós, eu achei esse número de 80% bem elevado, muito acima da percepção que eu tenho do mercado em geral. Na minha opinião, a pesquisa trabalhou com uma amostra bem pequena: 25.234 pessoas entrevistadas em 12 países.

Vale a pena dar uma olhada no relatório, pois ele também aborda como os Millennials, a geração Baby Boomers e os funcionários com filhos se adaptam ao trabalho remoto.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

O home office da Dell no Brasil

O site Adoro Home Office tem um artigo interessante sobre a estratégia de home office adotada pela Dell no Brasil e no mundo, com destaque para os benefícios econômicos para a empresa. Este artigo é baseado em uma reportagem da CNN.

Vejam alguns dados apontados pelo artigo:
  • Os funcionários da Dell trabalham remotamente 10 dias por mês, em média;
  • A Dell tem conseguido economizar em torno de 12 milhões de dólares por ano em custos imobiliários;
  • A política home office da Dell abrange 25% dos funcionários, incluindo os que trabalham remotamente o tempo todo de ou apenas alguns dias da semana;
  • O objetivo da empresa é dobrar a participação do trabalho remoto e ter 50% dos colaboradores em home office em 2020;
  • Os colaboradores que trabalham remotamente reduziram suas viagens em cerca de 200 milhões de quilômetros por ano, o equivalente a retirar 7.400 carros do trânsito;
  • Na Dell Brasil, 85% dos funcionários têm flexibilidade de horário.


O artigo destaca que, para a Dell, o trabalho remoto é uma estratégia consciente de negócio e que gera economia de dinheiro.. Os funcionários tem liberdade para escolher aonde querem trabalhar (no escritório ou remotamente), desde que forneçam os resultados esperados pela empresa - exceto se a função deles exigir a sua presença, como no caso dos funcionários que trabalham nas linhas de produção das fábricas.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

A evolução da mesa de trabalho

O gif animado abaixo, criado pelo pessoal do Harvard Innovation Lab, mostra como a nossa mesa de trabalho evoluiu desde os anos 90, com diversas tecnlogias substituindo a informação em papel pelo digital. Hoje conseguimos fazer praticamente todo o nosso trabalho utilizando apenas um tablet ou smartphone.



Na minha opinião, faltou apenas colocar um iMac na foto (lançado em 1998) e terminar a animação com apenas um iPhone na mesa :)

sábado, 30 de julho de 2016

Home Office nas empresas Brasileiras

Uma pesquisa divulgada este ano indica que houve um aumento de interesse das empresas brasileiras em promover o home office e teletrabalho. REalizada pela SAP Consultoria, a pesquisa Home Office Brasil traz vários indicadores interessantes entre as empresas participantes do estudo:

  • Houve um crescimento comparando os dados de 2014 e 2015: 50% de aumento no número de empresas que estão implantando o home office, 15% de aumento no número de empresas que estão estudando a implantação e de 28% de aumento na formalização do home office;
  • 68% das empresas já adotaram o teletrabalho em suas diferentes modalidades (Home Office, Trabalho de Campo, etc).
  • 80% das empresas praticantes da modalidade de Home Office são dos setores de Serviços e Indústria de Transformação;
  • Os segmentos das empresas aonde o home office é mais presente são: Tecnologia da Informação e Telecom (24%), Químico, Petroquímico e Agroquímico (12%), Serviços de Suporte e Provimento (9%), Bens de Consumo (8%) e Máq./Equipamentos & Automação (8%);
  • 80% das empresas que já adotaram o home office o fizeram nos últimos 05 anos.
  • A frase que melhor define o processo de Home Office é “Gerenciamento baseado em resultados, em vez da presença física”, segundo 71% dos participantes;
  • Profissionais administrativos trabalham em casa de um a dois dias por semana, em média;
  • Os principais ganhos obtidos com a implantação do Home Office são aumento de produtividade (54%) e aumento da satisfação e engajamento de colaboradores (85%);
  • Em mais de 80% das empresas, o Home Office é utilizado para a atração e retenção de colaboradores, além de permitir a otimização dos processos internos;
  • As empresas que ainda não adotaram o Home Office apontaram os principais motivos: citou fatores relacionados à cultura da empresa, segurança das informações, aspectos legais, gestão de atividades e aspectos tecnológicos/infraestrutura.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Você acha que o seu home office é bagunçado?

Se você acha que o seu home office está bagunçado, sujo ou com pouca infra-estrutura, então vale a pena dar uma olhada nesse post do 9gag, com algumas fotos de lugares assustadores - para dizer o mínimo...


quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Os riscos da Hiper Mobilidade

Um excelente artigo da revista The Economist sobre os lados negativos da vida de um viajante de negócios destaca as desvantagens das viagens frequentes com a "hiper mobilidade", algo que também faz parte de muitas pessoas que trabalham de casa.

Segundo o artigo "The sad, sick life of the business traveller", a "hiper mobilidade" ("hypermobility") conquistou a sociedade contemporânea, e quando está associada a vida dos viajantes frequentes, traz sérios problemas para tais executivos.

Entre os diversos problemas e riscos para os executivos, o artigo destaca o seguinte:

  • Efeitos psicológicos e stress causado pelo "jet lag" (os efeitos de mudar de fuso horário constantemente);
  • Os riscos a saúde por passar tanto tempo em aviões, como os riscos de trombose, maior risco de ataque cardíaco, exposição a germes e radiação;
  • "Travel Disorientation", ou desorientação por causa das viagens, por mudar de local e fuso horário frequentemente (já aconteceu comigo algumas vezes de acordar de manhã e não lembrar aonde estou nem porque estou acordando naquele horário);
  • "Inbox Overload", ou a sobrecarga de mensagens que se acumulam durante as viagens, uma vez que os executivos nem sempre encontram tempo livre para resolver os problemas do trabalho enquanto viajam;
  • Isolamento e solidão, causados pela ausência da família e amigos durante as viagens;
  • Desgaste da vida familiar e social - afinal, quantas vezes não perdemos compromissos familiares ou com amigos devido a viagens de negócios?

Embora a vida de um viajante frequente pareça ser glamourosa, com fotos de lugares e comidas exóticas populando suas redes sociais, isso não vem sem um lado negativo, conforme explicou o artigo.