terça-feira, 8 de setembro de 2020

Estatísticas de adoção do Home Office na Pandemia

Graças a pandemia do novo Coronavírus, o trabalho remoto se tornou uma alternativa ao trabalho presencial, para que assim as empresas conseguissem manter suas atividades apesar da necessidade de respeitar o regime de quarentena e distanciamento social.

Esse novo cenário também veio acompanhado de diversas estatísticas sobre a adoção do Home Office nesse período de pandemia:

  • Segundo levantamento da Organização Internacional do Trabalho (OIT), até abril de 2020 59 países adotaram a alternativa do teletrabalho.
  • Segundo um estudo do IPEA (notícia), o teletrabalho é possível para 22,7% das ocupações no Brasil, com variações significativas entre os estados e os tipos de atividades ocupacionais. O estudo foi aplicado a 86 países, aonde o Brasil ocupou a 47ª posição. Foi identificado que as economias de baixa renda têm uma parcela menor de trabalho que podem ser realizados remotamente.
    • Os maiores percentuais de probabilidade de teletrabalho estão nos grupos profissionais das ciências e intelectuais (65%), diretores e gerentes (61%) e trabalhadores de apoio administrativo (41%). Já para membros das Forças Armadas, policiais e bombeiros militares, a probabilidade de teletrabalho foi estimada em 0%, assim como para operadores de instalações e máquinas e montadores, para ocupações elementares e para trabalhadores qualificados da agropecuária, florestais, da caça e pesca. Outros grupos com baixo potencial de teletrabalho são os trabalhadores dos serviços, vendedores dos comércios e mercados, com 12%, e os trabalhadores qualificados, operários e artesãos da construção, das artes mecânicas e outros ofícios, com 8%.
  • Segundo o Ministério da Economia, 360 mil servidores públicos federais foram colocados na modalidade de teletrabalho, o que representa 63% do total da força de trabalho da Administração Pública Federal.
    • O governo federal reduziu em R$ 466 milhões as despesas com a adoção do teletrabalho dos servidores. O levantamento considera cinco itens de custeio administrativo, analisados no período de abril a junho de 2020: gastos com deslocamentos e viagens a serviço (queda de 67,5%), serviços de comunicação (Correios) (-63,1%), gastos com energia elétrica (-22,4%), com água e esgoto (-10,3%) e os gastos com cópias e reproduções de documentos (queda de 36,1%).
  • Segundo uma pesquisa realizada pela Pulses, mesmo durante a pandemia 78% dos brasileiros se sentem mais produtivos trabalhando remotamente

  • Segundo um estudo do professor André Miceli da FGV, a tendência é que o modelo de home office cresça cerca de 30% no Brasil após a pandemia.









Nenhum comentário:

Postar um comentário